GOIÂNIA

DECLARAÇÃO DA EMBAIXADA DA REPÚBLICA DO AZERBAIJÃO NA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

COMPARTILHE

A visita da Sra. Azatui Simonyan à cidade de São Paulo, que se apresentou como conselheira das questões da diáspora do chamado “Presidente de Artsakh”, que é uma entidade promovida pelos armênios, e a Sra. Simonyan participou da cerimônia de inauguração do  monumento das “vítimas” do conflito armênio-azerbaijanês no pátio da Catedral Ortodoxa Armênia de São Jorge, levantantando, também, a “bandeira” da chamada entidade junto com as bandeiras da Armênia e do Brasil é inaceitável no momento em que estão sendo tomadas as medidas para normalizar as relações entre o Azerbaijão e a Armênia.

Ao submeter à limpeza étnica de cerca de um milhão de azerbaijaneses de suas terras e violar os direitos fundamentais dessas pessoas por quase 30 anos, cometendo inúmeros crimes de guerra durante a agressão militar, incluindo o assassinato brutal de 613 civis na cidade de Khojaly do Azerbaijão, o lado armênio com suas tentativas de fugir de sua responsabilidade pelos seus numerosos crimes, continua a ser responsável pelo destino de cerca de 4.000 azerbaijaneses que desapareceram durante o conflito no início da década de 90. Condenamos veementemente as atividades do lado armênio de desinformar o público brasileiro ao realizar ações divisivas no território do país democrático e multicultural que é a República Federativa do Brasil.

LEIA TAMBÉM  Paulo Melo diz que não será candidato em 2022. "Em hipótese nenhuma"

A utilização do território brasileiro para tais atividades, a permissão de entrada no Brasil de uma pessoa que se diz “representante” da entidade não reconhecida e o hasteamento da “bandeira” da referida entidade, que não é reconhecida por nenhum país do mundo, não corresponde ao espírito das relações bilaterais entre o Azerbaijão e o Brasil reguladas por normas e princípios jurídicos internacionais.

Este passo da diáspora armênia, que em violação do direito internacional promove o separatismo no território do Azerbaijão, pode ser avaliado como uma interferência nos assuntos internos de outro Estado e contraria os esforços da construção da paz na região, e demonstra que a real intenção do lado armênio não é a normalização da situação e a convivência pacífica.

As relações entre o Azerbaijão e o Brasil sempre se desenvolveram de forma constante e continuam a crescer. A última rodada de consultas políticas realizadas no Brasil no mês passado entre o Ministério de Relações Exteriores dos dois países é um exemplo claro disso. Sob esse prisma, a provocação da diáspora local pode ser visto como uma tentativa de ofuscar as relações bilaterais.

LEIA TAMBÉM  Paulo Melo diz que não será candidato em 2022. "Em hipótese nenhuma"

Independentemente da posição da Armênia, o Azerbaijão continuará avançando em direção ao desenvolvimento e progresso dentro de suas fronteiras internacionais, de acordo com suas obrigações e do direito internacional.

COMPARTILHE

RELACIONADAS