GOIÂNIA

Cancelamento do carnaval é consenso entre órgãos públicos

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

 

O Brasil está preparado para o carnaval de 2022? Para a secretária de enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Leite, ‘ainda não é o momento’ de realizar grandes festas e aglomerações. Durante a audiência pública, promovida pela Comissão de Turismo nesta quarta-feira (8), ela disse que a recomendação do ministério é manter o uso de máscaras, de álcool em gel, o distanciamento social, além da vacinação. Leite classificou tais medidas como ‘princípio da precaução’. “O ministério reconhece que o carnaval é uma cultura popular e é de extrema importância para economia de estados e municípios, mas não podemos retroceder. Estamos em dezembro e até fevereiro a situação pode mudar. Hoje a recomendação é que as comemorações sejam suspensas.” Afirmou.

A audiência, aconteceu a pedido do presidente da CTur, deputado Bacelar (Podemos/BA), que afirmou temer as decisões individuais de governadores e prefeitos. Ele defende que haja uma coordenação nacional, com diretrizes unificadas para tomar uma decisão sobre a festa. “Sabemos das dificuldades dos municípios, tanto do ponto de vista sanitário quanto turístico, mas é preciso tomar decisões conjuntas” acrescentou.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), representada pela diretora adjunta Daniela Cerqueira, também se manifestou contra a realização do festejo. No início do mês de novembro, o órgão chegou a emitir uma nota técnica e alertas sobre o cenário epidemiológico da Covid-19.

LEIA TAMBÉM  Rio: governador pede para denunciarem postos que não baixarem gasolina

O documento recomenda, entre outras itens, a exigência de um passaporte sanitário com o comprovante de vacinação para turistas estrangeiros que quiserem entrar no Brasil. A proposta, adotada em vários países do mundo, foi rejeitada pelo governo Bolsonaro que afirmou que “exigir um comprovante de imunização fere a liberdade individual e poderia afetar a economia.”

Bruno Wendlin, Presidente do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (FORNATUR), acredita que o Brasil precisa recuperar a imagem de um destino seguro. “A liberdade individual jamais poderá ser maior do que a responsabilidade coletiva” afirmou ao defender o passaporte sanitário.

Os secretários estaduais de Saúde e o Conselho Nacional dos Municípios também são unânimes na reprovação à realização de Carnaval em 2022. “ O carnaval é uma festa de aproximação e não tem como ter rigor nas medidas não-farmacológicas. Seria ilusão imaginar que, em Sambódromo ou em uma festa popular, movimentada, a gente consiga fazer com que as pessoas utilizem a máscara e mantenham o distanciamento social” pontuou Fernando Avedanho, assessor técnico do Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

LEIA TAMBÉM  Eleições 2022: restrições para agentes públicos começam a valer hoje

Já o presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), Doreni Caramori dicordou dos demais participantes ao lembrar que atualmente já estão liberados grandes eventos como partidas de futebol, praias, festas. Para ele, há preconceito por parte do poder público. “Não pode haver o princípio da precaução seletiva. Há evento público, evento privado em espaço público, evento privado em espaço privado”, disse.

Ângelo Sanches, presidente da Anseditur (Associação dos Secretários de Turismo), sugeriu que o tema fosse discutido na reunião do Conselho Nacional de Turismo que será realizado na semana que vem (14/12). Para ele, estados e municípios estão preparados para retomada do setor e o cancelamento das festas pode prejudicar ainda mais a economia brasileira. “O momento é de cautela. Temos que cuidar da nossa saúde, mas estamos preparados. O trade tem condições de receber os viajantes” ponderou.

 

 

 

 

 

 

 

 

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS